Celso Furtado – os combates de um economista (Livro Virtual)

R$0,00R$20,00

Celso Furtado tratou do conceito de Subdesenvolvimento – da forma clara e rigorosa que é própria do seu método histórico e analítico – no seu clássico Desenvolvimento e subdesenvolvimento de 1961. Não o definiu como uma etapa necessária pela qual teriam passado todos os países desenvolvidos, mas como um processo histórico particular, resultante da penetração das empresas capitalistas modernas em estruturas arcaicas, constitutivo da expansão desigual do Capitalismo. Teoricamente sua concepção é semelhante ao esquema Centro-Periferia de Prebish (1949), mas sua visão é mais completa porque contempla a análise de nossa estrutura subdesenvolvida e a dinâmica da sua articulação interna-externa.

Suas preocupações recorrentes com o tema da construção da Nação frente às diversas formas de dominação internacional e ao pacto interno de dominação estão presentes em quase todos os seus escritos desde 1964. A separação, para fins analíticos, entre as dimensões econômicas, políticas e sociais do nosso subdesenvolvimento nunca o impediu de ter uma visão histórico-estrutural capaz de abranger as três dimensões, desde Formação econômica do Brasil (1959) até Brasil, a construção interrompida (1992).

Furtado não desistiu nunca da ideia da necessidade de um Projeto Nacional capaz de animar a reconstrução do Brasil, mesmo quando a atual conjuntura de desmantelamento do país parece deslocar os resultados desse processo para um horizonte cada vez mais longínquo, como em seu Longo Amanhecer (1998).

No Manifesto da Frente de Esquerda Em defesa do Brasil, da democracia e do trabalho (1999) – que ele assinou, como a maioria dos intelectuais que ainda continuam na luta de resistência às políticas neoliberais – a epígrafe é uma frase sua, esclarecedora do estado de espírito do Mestre: “Em nenhum momento da nossa história foi tão grande a distância entre o que somos e o que esperávamos ser”.

Esta mágoa, que compartilho com paixão, decorre de nosso sentimento comum quanto à situação da Nação em matéria de destruição das forças produtivas e da própria desorganização da sociedade.

Maria da Conceição Tavares

Você pode baixar de forma gratuita diretamente CLICANDO AQUI  ou seguir com a compra do livro digital e contribuir com o projeto editorial popular da Expressão Popular
Limpar
REF: 9786556260051 Categorias: , Tags: , ,

Autor:
Adroaldo Quintela, Antonio Carlos F. Galvão, César Bolaño, Inês Patrício, Marcelo Manzano, Mariano de Matos e Macedo Nelson Le Cocq (Orgs.)

Número de páginas:
350

ISBN:
9786556260051

Editora:
Expressão Popular

ID do produto: 43564

Descrição

Celso Furtado (1920-2004) nasceu em Pombal, no sertão da Paraíba, e tornou-se um dos mais importantes economistas do Brasil que investigou a dinâmica do subdesenvolvimento do Brasil e realizou grandes projetos a frente da gestão de instituições públicas, como CEPAL, BNDES, Sudene e Ministérios do Planejamento e da Cultura.

Dentre suas principais obras, destacam-se: Formação econômica do Brasil (1959); Desenvolvimento e subdesenvolvimento (1961); Dialética do desenvolvimento (1964); Um projeto para o Brasil (1968); Análise do “modelo” brasileiro (1972); A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina 91973); O mito do desenvolvimento econômico (19740; Criatividade e dependência na civilização industrial (1978); O Brasil pós-“milagre” (1981); Brasil, a construção interrompida (1992); O capitalismo global (1998); e Raízes do subdesenvolvimento (2003).

 

Informação adicional