Lutadores Brasileiros – 5 livros

R$30,00

HENFIL – O HUMOR SUBVERSIVO

O famoso cartunista Henfil é retratado aqui em sua múltipla trajetória, de cartunista a ativista político. A partir do contexto histórico, das relações sociais e contradições em que se desenvolveu a personalidade ousada, curiosa, instigante, perspicaz e crítica do humorista, o autor analisa também como tudo isto se revela em seus personagens e textos.

ZEQUINHA BARRETO – UM JOVEM REVOLUCIONÁRIO NA GUERRA CONTRA A DITADURA

É bem provável que Zequinha Barreto ficasse no anonimato se não fosse a iniciativa de militantes de movimentos sociais e sindical de Osasco (SP) e região, que construiu o Instituto Zequinha Barreto. Mais, se não fosse a ousadia de Márcio Amêndola em assumir o desafio de contar a história da vida e da luta desse companheiro de Lamarca, que juntos lutaram e juntos, em 1971, foram assassinados pela ditadura instalada no país.

Um texto que nos oferece um painel da época dos “anos de chumbo”, quando o arbítrio era a lei dos ditadores e seus sequazes, e a oposição e o combate realizado pelos revolucionários que, numa correlação de forças infinitamente inferior, não hesitavam em colocar suas vidas em risco na luta por seu ideal. Um pequeno texto, um grande exemplo.

MAURÍCIO GRABOIS – UMA VIDA PELO BRASIL

JÔFRE CORRÊA NETTO – CAPITÃO CAMPONÊS (1921 A 2002)

Maurício Grabois foi “um dos mais atuantes comunistas brasileiros e dedicou a sua vida à luta contra as injustiças sociais. Junto com outros companheiros do PCdoB, deu o melhor de suas energias revolucionárias na preparação da luta e na resistência armada do Araguaia. Foi comandante da Guerrilha do Araguaia e desapareceu nas matas do Sul do Pará em 1973, junto com seu filho André”.

PEDRO POMAR – UM COMUNISTA MILITANTE

Este livro é um resumo biográfico da vida do dirigente comunista do PC do B, que vive 32 dos seus 63 nos na cladestinidade, em função de sua militância política contra o regime militar brasileiro. Fez importantes contribuições, tanto por sua atuação como por suas idéias, para a reflexão sobre a guerrilha no Brasil e o papel do partido político na formação revolucionária das massas, valendo-se especialmente da experiência da Guerrilha do Araguaia. Foi executado em São Paulo, no dia 16 de dezembro de 1976, durante o episódio que ficou conhecido como ‘Massacre da Lapa’.

JÔFRE CORRÊA NETTO – CAPITÃO CAMPONÊS (1921 A 2002)

Em Santa Fé do Sul, no noroeste do Estado de São Paulo, o conflito entre mais de 800 famílias de camponeses (“mais de 5 mil pessoas, muitas delas numa situação de total miséria”) ameaçadas de expulsão por um poderoso latifundiário não era diferente dos milhares de conflitos que pipocavam por todos os cantos do país. Foi nessa luta que surgiu a figura lendária do “Fidel Castro sertanejo”, Jofre Correa Netto, o capitão camponês que organizou a defesa dos camponeses, quando o latifundiário, para agilizar a desocupação das terras, “ordenou que o capim fosse imediatamente plantado nas lavouras dos camponeses, os ranchos deles, queimados, e o gado fosse solto para destruir o que restava de suas lavouras que lhes serviam de alimentação”. A tática de defesa dos camponeses ficou conhecida como “operação arranca capim”.

REF: Lutadores brasileiros - 5 livros Categorias: , , , Tag: ID do produto: 28981

Autor:
Márcio Malta (Nico), Márcio Amêndola de Oliveira, Victória Lavínia Grabois e Mário Grabois, Wladimir Pomar, Clifford Andrew Welch,

Número de páginas:
483

ISBN:
-

Editora:
Expressão Popular

Informação adicional

Peso 0.325 kg
Aguarde

Livraria e Editora Expressão Popular

Receba nossos informativos!